domingo, 3 de maio de 2009

BOA GURIA


Foi daquelas minhas noites de insônias. Vez ou outra eu tenho e, quando estou em casa, fico a variar pelos filmes da programação televisiva. Sempre me entedio e acabo por dormir, nem que seja por duas horas.

Na ilha nem isso eu podia fazer.

Portanto, saí pela praia deserta e escura.

O tempo todo fiquei a imaginar que um animal poderia sair do meio daquele matagal e atacar-me, ou um lobo selvagem, ou um tigre, ou um lince faminto, ou até mesmo um canibal – depois me disseram que isso não tinha por ali e fiz papel de boba e desinformada.

Andei muito pela orla do mar, sentindo as pequenas ondas baterem aos meus pés.

Então, um barulho me chamou a atenção e parei.

Nem deu tempo de nada. Nem mesmo de dizer pare.

Uma mão enorme tapou-me a boca e ao mesmo tempo jogou-me na areia macia. Com a outra me despia com rapidez desconcertante.

- Se gritar, morre.

- Não grito, mas vá com carinho. – disse eu, mansamente, considerando que aquilo era melhor que filme.

- Tu não és um traveco, né, guria? – hesitando por um momento.

- Não faço idéia do que seja um traveco, mas guria eu sei que sou.

Ouvi um sorriso malicioso, e uma mão calejada a me passear pelas coxas, subir e abrir as minhas pernas. Uns dedos que sabiam muito bem o que fazer e me fizeram gemer e sentir-me molhada inteira...

Tirou a minha blusa, mordeu-me, chupou os meus seios até eu sentir dor. A dor lhe dava prazer, mas, misteriosamente, a mim também. Eu podia gritar e enterrar meus dedos na areia fofa, sentir aquele peso que me prendia e me tinha.

Lambeu-me inteira, lascivamente, e chupou-me até eu começar a gozar. Então me penetrou, brutalmente, como um animal louco, e me proibia de gritar dando-me tapas a cada tentativa. Na mistura de medo, dor e prazer que eu enterrava os dedos na areia e revolvia tudo à volta, como marca de um estupro consentido.

Quando acabou, levantou-se e tocou-me com o pé.

- Fostes boa, guria. Não vou te matar. – e foi-se embora, sem eu ao menos ver seu rosto ou saber seu nome.

Lavei-me na água do mar e voltei para o chalé.

Lembrei disso agora, enquanto conto das férias, porque depois, dormi como uma pedra e até achei que tinha sonhado. Mas sei que não foi. Não foi...

8 comentários:

  1. Esta rapariga tem sonhos muito estranhos... Deve comer coisas pesadas antes de ir para a cama.

    ResponderEliminar
  2. Um estupro nunca é boa coisa.[2]
    Acho que seria muito mais gostoso a possessao animalesca do parceiro querido.

    ResponderEliminar
  3. Bom a menina é insaciável.Tomara que ela volte logo a Portugal. Se não quando ela chegar não vai nem poder fechar as pernas de tanto manobrar o pau. Mas esta Janette me saiu melhor do que a encomenda hein?

    ResponderEliminar
  4. viemo-nos apresentar...
    espero que gostes!
    beijo...

    ResponderEliminar
  5. olá.

    olha, realmente tudo o que dizem desse blogue é verdade.

    muito bom, palmas.

    agora, espaço para um convite, sou editor do e-blogue.com/blogues, e gostaria de convidar para que participasse de nosso projeto.
    explico já, o e-blogue é um espaço para divulgar o que de melhor é veículado nos blogues, vale texto, fotografia, desenho, vídeo, então, gostaria de deixar a porta aberta para o guerra de travesseiro, ok?

    caso se interesse pela oferta, pode me enviar um e-mail para afoborio@gmail.com.

    sorte e luz.

    ResponderEliminar
  6. Olá!

    Gostaria de convida-la para a nossa primeira Blogagem: Palavras Sobre ... momentos a dois.

    Estamos iniciando na Blogosfera e encontramos essa maneira de fazer novas amizades.


    Passa lá no blog e pega o banner no post de hoje.

    http://palavrasadois.blogspot.com

    ResponderEliminar
  7. A estranha realidade dos sonhos...

    ResponderEliminar